7 de dez de 2009

TREM BALA PERDIDA


O ARTIGO ABAIXO FOI ESCRITO NO COMEÇO DE 2009 E, NESSE FINALZINHO DE ANO, SAIU A NOTICIA DA QUAL ESSA BIZARRIA DE PAÍS DE BACANA (o que não é o caso do atual Brazil), IRIA CUSTAR UMAS 5X MAIS, DO QUE OS VALORES ANUNCIADOS INCIALMENTE. NÃO DIGAM! MAS QUE NOVIDADE...

"Bernardo José Figueiredo Gonçalves de Oliveira, economista, é o nome do sujeito. Para a desgraça de nosso filhos e netos e mesmo brasileirinhos que nem sequer nasceram ou foram encomendados, o cidadão  foi alçado ao cargo de Diretor Geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT),  ligado à atual ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, como sub-chefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil. 

E o que esse um, de nossos muitos "líderes nacionais" declara aos jornais desse imenso Brasil, em plena posse? 

FIQUE COM ESSA:

"Provavelmente, a União vai financiar o Trem-Bala RJ-SP, pois se vermos pelo mundo, houveram fortes participações governamentais e não teremos a primazia de sermos diferentes" ( o grifo é todo meu... ).

  Ocorre, Sr. Economista, que "se vermos pelo mundo", esse outro mundo que o senhor enxerga possui, sem nenhuma exceção, uma formidável rede ferroviaria operacional, incluindo estruturas de transferencias (modais) de cargas entre minas, silos, rios, galpões, navios, portos, oceanos e caminhões e até aviões, bem cuidadas e bem administradas por ferroviários competentes, treinados e dedicados, desde que o esperto inglês Richard Trevithick inventou a Locomotiva à Vapor em 1804, contando, inclusive, com eficiente transporte  de passageiros, escolha qualquer país digno que o senhor desejar conhecer
por trem, seja no formato de uma pessoa como carga viva ou num containner refrigerado.

  Caro Sr. Economista, nós não somente somos sim, diferentes do resto do mundo, como infelizmente teremos que continuar sendo, pois são administradores como o senhor que nos afundam, nos afundaram e vão nos afundar no atraso e nos gastos estapafúrdios e deslocados, como bons caipiras comprando botas novas, mas não se livrando das verminoses, co-habitando nas barrigonas inchadas, a custa de muita desinformação e achismos pueris.

   Quero, francamente, estar profundamente errado, mas... 


O que nos acostumamos a identificar como BRASIL, não necessita dessas cintilantes jóias ferroviárias, trovejando em calhas exclusivas à mais de 400 km/h e que produzem impactantes fotografias  ao pôr-so-sol, até por que, trens-bala no geral, não transportam cargas em massa e sim, passageiros e para isto, aquela crucial invenção do senhor Alberto Santos-Dumont dá conta.

Uma vez que seríam atendidos -se muito- uns 3% da população brasileira, o eixo clássico da prosperidade habitual e concentrada, 30 milhões de alucinados que decidiram morar
muito mal, deslocar-se em engarrafamentos diários e se iludirem por ´modernos´ dada a escala de suas megalópoles, expandido-se como um devastador carcinoma, fagocitando recursos naturais e abolutamente incontrolável na tunga dos bolsos dos outros 160 milhões de brasileiros pagadores de impostos, muitos deles, mal ajambrados por aí.

Patinamos bons, caríssimos e irrecuperáveis 30 anos sucateando um sistema inteiro de de trilhos, estações e ferrovías as quais, "se vermos pelo mundo" como o economista parece gostar de comparar, constituem um dos pilares sólidos que alavancam nações sérias, povos comprometidos com suas histórias culturais e países visionários rumo ao verdadeiro
e perene desenvolvimento estratégico, em se tratando dos transportes

   Se não quer me respeitar como cidadão indignado, ao menos, tenha respeito pelos nossos descendentes, conduzindo esses R$30 bilhões ( anunciaram a fatura como R$9 bilhões
*, mas alguém aí, acredita sinceramente nisto? ) do custo dessa bizarría de deslumbrados, para a duplicação das vías ferroviárias já existentes, que neste Brasil são maioría em mão única, sem contar a existência de quatro bitolas diferentes, onde em determinados e não poucos trechos, um trem mal consegue serpentear sem transbordo, de um estado ao outro.

   Ungido da iniciativa privada e do ramo, como ex-diretor da empresa Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S/A, quero crer que o indigitado economista tem em mente o melhor para esta atrasada nação brasileira e não mais uma formidável corrida de empreiteira
 e multinacionais fornecedoras de material ferroviário, sinalização, comunicação, sondagens, carrís, satélites, pontes, silos, locomotrizes,  carros e vagões...


 Junto com novas estações de embarque/desembarque, tinindo de novas, políticos sorridentes nas fotos de inauguração, tudo isto, como de hábito, obtidos através de nossos pornográficos impostos.

   Quando fizermos a lição de casa, a muito atrasada e ao menos tentarmos aumentar a velocidade média em cima de nossos trilhos dos atuais 20km/h, para miseráveis 60km/h em nossa herdada e empobrecida malha ferroviaria atual, nos conectando ao Pacífico
em pelo menos quatro vetôres, daí sim, será hora e a vez de atendermos aos ricos de sempre e à platéia dos deslumbrados de ocasião, aplaudindo as novidades sem nem ter um nexo causal mínimo no obtê-las, financiadas por moradores e viventes como eu e voce, desse imenso e invejavelmente riquíssimo, porém contraditório e atrasado país tropical.

   Ou será que ainda gestamos líderes que sonham ser possível modernizar o Brasil, de caneta nas mãos, sem planejamentos verdadeiramente consistentes?"                                                                    .

CHRISTIAN STEAGALL-CONDÉ
, arquiteto                  .
Vice-Presidente do IAB, Londrina (PR)



*PS: Artigo concebido em MAIO/2009, com a minha projeção do custo em valores reais de um trem bala "padrão"


URBANAS: OS NOVOS CARCEREIROS

Conte exatamente AGORA quantas chaves voce tem. Se passar de 03 unidades, começe à chorar pela miserabilidade que a vida urbana contemporânea parece nos querer brindar e olha que eu não pedi prá contar as chaves lá do clavicular.

As chaves são uma das heranças mais medievais que insistimos carregar com a gente, como o são as guelras vestigiais que exibimos quando ainda estamos no oceano salgado do útero de nossas mães com reles e frágeis 02 centímetros destruindo para todo o sempre as poli-absurdas e insanas Teses Creacionistas e nos lembrando fascinadamente que a vida surgiu mesmo no mar, foi assim.

A outras das heranças estúpidas é esse tal de auto móvel, mas fiquemos com as chaves, prodigiosa adaptação e evolução quase máxima do que foram as trancas e ferrolhos, ícone máximo utilizado em segredos e em tudo o que nós queremos preservado, guardado, protegido, ocultado, escondido, não é a toa que utilizamos o ´trancafiado a 7 chaves´ quando importância é supra sumo.

Perdi minha primeira chave, no caso, o conjunto de 03 chaves de casa, dentro de um ônibus vazio voltando da natação do clube, essas, novidades à época, os pegadores em plástico colorido, facilitando a identificação visual, estranho eu ter notado que as vermelhas eram as que mais sobravam lá nos chaveiros.

A sensação foi devastadora. Primeiro, o medo absoluto, perto do indizível, a exata dimensão do insondável, o pensamento fica num suspense, toda sua existência se resume num único e inescapável sentença fixa: 

ONDE ESTÃO?

Claro que, como quase tudo nessa vida, damos pela falta de algo justamente na hora da qual mais precisamos dela e, na verdade, não é que justamente a hora acontece, mas é por que temos que economizar o cérebro para tarefas mais nobres, foi por causa de esquecermos que evoluimos tanto, demais até.

É como procurarmos as (ARRÁH! ) chaves e só conseguirmos encontrá-las, MAS QUE COISA!, somente no último lugar que decidimos procurá-la, meu deus do céu, por que não me lembrei disto antes? Novamente poupança do cérebro das brabas: Não achamos as chaves no último lugar que procuramos, pelo simples fato de que, ao achá-las, continuar procurando-as é estupidez.

As chaves lá de casa eram três, Amarela, Azul e uma Vermelha (Hmmm...) mas estranho, eu nunca me recordo de haver trancado algo em quase toda minha existência ou, se o fiz, foi algo que nem passou pela memória, isso, restringindo-me às nossas fascinantes pré-adolescencias, quando vivemos a imitar os estranhos mundos, já prontos, dos que fazem eles, os adultos.

Desci num ponto bem longe, o final, com isso, eu ganhava mais uns bons 4 minutos de paisagens de um bairro residencial em lenta, mas constante mutação e andava até em casa a qual, vazia nesse dia, minha chave, bem...

ONDE ESTÃO ? Da dúvida, passa-se à aflição e depois, caso voce seja bem equipado emocionalmente, etapa decisiva seguinte:  

CARALHO!!! ...como é que eu vou entrar, agora ? 

( Está bem: Nessa época eu JAMAIS teria falado CARALHO com a boca cheia, decidido, másculo e viril até por que, nessa fase da vida, o macho aqui chamava o pinto de BILIM, sim, apelido doméstico de minha tia Walkíria e bunda, achtung! dicionários de Táti-Bitáte -a chamada lingua dos babes- era o inexistente BULUM. Bunda e Pinto lá em casa eram Bulum & Bilim. Não é perfeito ? Se podemos simplificar, por que complicar ? Tia Walkíria aplicando os conceitos da Navalha de Occam, empíricamente... e olha que a gente já tinha idade de saber que nosso bilim, podia ir no bilim das nossa amiguinhas, mas não sei por que, isso eu não me lembro de ter acontecido, talvez por que o bilim do macho aqui era um amendoim de 2cm)

E, eis que me vejo batendo palmas -adoro bater palmas nas casas dos outros- na vizinhança, pedindo prá pular os muros dos fiundos e entrar na casa pelas janelas, que não tinham qualquer tranca.

E, espero, que ainda estejam assim.

CHRISTIAN STEAGALL-CONDÉ

4 de dez de 2009

"VADIAS ANORÉXICAS" (A New Galz Band?)

VadiasAnoréxicas

Daria um bom título de banda de mulheres, daquelas formadas por moças beeem feiosas e demi-masculinas ... gamadas por moças bem bonitonas e demi-femininas.


Daría um bom nome.



Não fosse o fato de que uma vadía anoréxica dessas, mal conseguir parar de pé, sustentando seus míseros 35Kg.

Do que dizer, empunhar uma Fender Stratocaster, alçada aos ombros!

SEU DEUS DO CÉU!
 Alguém pode me explicar, o que acontece, nessas nano cabeçinhas desmioladas, que ando venod em editoriais de, aiaiaiai, MODA ?

Será que os intestinos atuais, possuem um "Estágio Reservatório", fruto de alguma mutação sutil e "modernizante", enchendo o côco da criança, com a mais pura merda humana ?

É a única explicação, que consigo digerir...

... a falta que um pai de verdade...

...  e uma mãe presente e dedicada à maternidade, não faz, com essas filhas perdidas e absolutamente alienadas...

Eis as, digamos, "modêlas".



 Devem se chamar Biafra Istáile.
  Não dá vontade de dar UMA SURRA, numa doente mental dessas ?

 

Ou ao menos, uma dieta de Sorvetes, Pizzas, Chocolates e de
  
HOMENS 
QUE 
GOSTAM 
DE 
MULHERES 
SADIAS.

Inclusive e o mais importante:
 
M-E-N-T-A-L-M-E-N-T-E 
SADIAS.




PS1: As moçoilas lá de cima, não existem de fato,
mas modelas anoréxicas e meninos fodidos pela
fome, como o albino em Biafra, são 100% reais.

.
.
.



Ora, ora oras... Não é que sou lido por ERUDITAS? Acompanhe essa crítica, escrita ( e descrita... ) pela genial Srta. A. Nônymah, da qual preservaremos seu e-mail, pois não somos muito adeptos desses tróços como identificação e ficar entregando quem é quem:

"Pra começo de conversa, "vadia" não tem acento, "dono da razão". E tem mais... pelo seu post, já é  possível perceber que você é um completo ignorante!"




Ara... ninguém é completo em tudo, mas, enfim, fiquei embevecido com isso... Alguém, ter a proficiencia de me definir como "UM COMPLETO IGNORANTE". Isso é de uma vantagem existencial estratosférica pois, para alguém "assim", o céus serão seus limites!

"Por que não estuda um pouquinho a respeito dos  trantornos alimentares, antes de ficar escrevendo  essas porcarias sem sentido?!"

Dona, acontece que sou um réles sorveteiro de rua meio-período e blogueiro noturno e, considerando o que me escreveu, convenhamos, não estou tão mals assim, estou? Vai? Faça-me o favor...




"E de HOMENS QUE GOSTAM DE MULHERES SADÍAS." E quem se importa?"


Eu. E BASTANTE. Adoro gostosas, de todas as cores e idades, inclusive a minha própria mulher, acaso não percebas. Amo mulheres que nadam, que caminham, que se olham no espelho, que praticam equitação, esgrima, Muay-Thay, Kendô, mulheres se sentem bem, que se vêem como "sexies", que não relaxam consigo próprias, que NÃO deixam tudo nas mãos da genética, que cuidam de sua alimentação. Enfim, gosto muito das mulheres que gostam de homens, desde meus 13 anos. Pin-Ups, mulheres de cervejas, bibliotecárias, caixas de supermercados, executivas, biólogas, arquitetas, floristas, musicistas, jornalistas, poetisas, baristas...

"A vida das mulheres não gira em torno dos homens!"



I see. É que vivo em um outro planeta, chamado TERRA, e, nesse mísero pedaço estelar, mulheres giram em torno de homens, mas só as mulheres que gostam muito deles, aliás, elas gostam TANTO DELES, que algumas, inscruzivelmentz, casam-se com eles ( E VICE-E-VERSA).
 
 "Vê se cresce!"


Meço 1.77m. Descalço. E ser juvenil, é bem bacana, te garanto isso.

***E só para constar : Essas fotos que você publicou  fazem parte de um projeto feito pela fotógrafa Ivonne Thein. Portanto... não passa de Photoshop!"
(Autora:  Srta. A. Nônymah)
 


Seu Deus! A ú-n-i-c-a peçonha do planeta Terra, que sabe da verdade mais imapctante desse Século XXI ?!

AS IMAGENS SÃO PURO FOTOXÓP! Santuz Píxelz, Batman!?! Só a Srta. A. Nônymah, sabia disto !!!!

Bom, minha erudita leitora, pelo menos, sabe das coisas. Pescou um "typo" logo de cara, que
até vou corrigir, prá ela ficar ainda mais erudita.

Ela (de lambugem), me indica um caminho seguro, prá entender de "transtornos alimentares", puxa, mas que coisa! Até a erudita A. Nônymah me dizer disto, eu entendia que os "transtornos alimentares" era d´alguma vadia, sei lá, querendo Pizza de Pepinos. 

Preciso estudar TANTO, sobre tantas coisas, seu deuz!

E o Cro-Magon aqui ... o único remanescente ainda vivo que curte MULHERES SADIAS e que CUIDAM DE SEUS CORPOS e de SUAS APARÊNCIAS, oras... ela me avisa e e me ensina, que:

"... a vida das Mulheres, não gira em torno dos Homens... "

Sei. (Mais uma amarga solteirona nesse mundão, seu deuz do céu...)

Desdizendo, entre outros, Herr Freud, a Srta. A. Nônymah!

Mas minha erudita leitora (das dezoito que eu ainda consigo enganá-las, atraindo-as inocentemente, tolinhas que são...), tem razão em coisa feia que fiz. CRÉDITOS! ONDE ESTÃO?

VEXAME! Peguei as fótas no site da magnífica fotógrafa alemã Ivonne Theine não coloquei UM MÍSERO LINK, prá remeter à  verdadeira autora (mas se clicarmos no nome dela... VOILÁ!)

Agora, o melhoOor de tudo, é o fecho, da Srta. A. Nônymah:

"... não passa de Photoshop!"

Pescou? Para a longeva e crítica pró-criatura, nada, nem um  único mísero píxel "manipulado", será digno de crédito, ah, sim !!

QUE BELEZA! Gentem... sabe a Mona Lisa, daquele Leonardo?

Aquilo não passa de tinta e pincel e tela! NÃO É FOTOGRAFIA!

SEU DEUS! A Srta. A. Nônymah, me queria processado, no xilindró, comigo publicando fotos REAIS de vadias anoréxicas brasileiras, mas nunca, jamais, um ensaio fotográfico GENIAL!

Está bem, Dona Nônymah! Voce con/venceu! Consulte o texto e, desde já, entrego o ouro prás minhas outras 17 enganadas leitoras e analfabetas visuais "completas", para usar um termo caro à tal dona, minha fiel corretora Orto-Gráfica e Ideo-Lógica.

- EU MEREEEEÇO ...
MINHA CULPA, MINHA CULPA ... MINHA MÁXIMA CULPA!

PS: Como ela me ordenou "CRESCER", por eu ter escrito e con/firmado que sou homem (pré-extinto) que curte, quer, venera, fala sobre, fotografa e se casa com m-u-l-h-e-r-e-s, mas apenas se forem sadias, eu, que sou educado, a obedeci. E foi é já: A fonte da frase, jaz cá no mundo dos pixels, agora eternamente exibida em pornográfico Corpo 47. Um crescimento e tanto, convenhamos.

.
.