5 de jan de 2008

À PROCURA DO RAPÁICHE

Não, não se trata de Homilia Gay. Nem Delegado, à caça de
algum Fora-da-Lei. Ou da Polícia Militar, em algum mandato
de Busca & Prisão. Ou Moçoilas desesperadas por Çéquisso.

Também não se trata de um novo Buddah recém encarnado.

Trata-se da instituição nacional dessa tão grandiosa e quase
in/entendivel Nação Brasileira que nos define, conforma e é,
mesmo alguns de nós, vivendo estranhíssimo deslocamento.

É a figura do rapaz ou, na pronúncia da escumalha com um
indefectível sotaque luso-carioquês, o "RAPÁICHE". Alguém
DEVE ter falado disto antes, não tenho a menor das dúvidas
quanto á isto, mas eu percebo que a população dessas Néo-
personas tem-se multiplicado país afora quais coelhos, caso
saibas, ninhadas de coelhos brotam 10/15/20 nano-coelhos,
em 365dd, dá prá preencher a China Continental de coelhos,
como percebeu, nascituros Made In China, como quase tudo,
caso não saibas, equiparam os investidores internacionais de
´corajosos como coelhos´, o que dá uma idéia precisamente
exata, de como inter/agem, medrosos como são, os coelhos.

Não fosse La Naturaleza serví-los como farto alimento e dos
bons, e é por isto que exibe o BRUTAL par de orelhonas, um
faro ANIMAL ( perdão, bi-trocadalho ) e prá se safar de seus
muitos predadores, salta/corre rápido como um... COELHO!

E que diabos insidiosos vem a ser o tal RAPÁICHE? É bem
simplim, de tudo: Por princípio, Le Citoyen nem nome tem.

Então, vai ser exatamente por isso que damos o nome dele
Rapáiche, não duvidar que algum energúmeno, batize filho
em muito breve por Rapáiche Silva, visto que as contagens
de Juniôres, figurando em primeiro nome, figura pelo milhar.

O tróço FUNCIONA exatamente assim, SEM VARIAÇÕES:

Estou construindo uma casa. A Arquitetura é fascinante, por
causa de um negócio que me toquei já algum tempo: Nesse
ofício, seus gestôres tem que achar a coisa MAIS NATURAL
desse Universo juntar 7 Milhões de peçinhas soltas e vindas
de pelo menos 1.278 Fornecedores, fazendo com que todas
essas 7 Milhões de Peçitas Soltas entrem numa mesmíssima
linha de produção (o chamado ´canteiro´, original medieval
de cantaría, do ofício de cortar cantos nas pedras maciças
),
até mesmo a MIRRS, a Estação Orbital lá em cima mal tem
os 30 fornecedores, vai vendo/entendendo o que é construir.

Pois bem, cadê o RAPAZ? ´Dotô ( por que RAIOS chamam
de doutor, se eu não defendi Tese de Doutorado alguma ?),
Rapáiche ficou de passar aqui de manhã, mas ele não veio.

ARRÁÁH! Ei-lo! Alguém ficou de fazer algo e não o fez, mas,
alto lá, é só isso? Esse é o tal rapaz e pronto, finito, TheEnd
e não se habla mas nisso, e voce aí com essa história pueril ?

Seria fim, sim. Não fosse o fato de que o supra citado solver
T-O-D-O e QUALQUER problema relacionado a falta dalguma
coisa, note que quando ouvir um R-A-P-Á-I-C-H-E, instale
bem nas profundezas do seu hipotálamo uma espécie de bio-
alarme, dos mais escabrosos possíveis, quando for acioná-lo.

Pois quando o estribo vibrar na clóquea, a bigorna transmitir
pulsos dentro da sua cabeçinha, automaticamente voce vai
esboçar um tipo de sorriso marôto, quase uma auto-defesa
preservacionista, macaco ancestral balbuciando os mais que
intraduzíveis muchôchos, sim, compadre: TE ENGANARAM!

Aliás, fiquei de contar segrêdo valiosíssimo da Arquitetura,
que
só Iniciados, Picagrossas e Demiurgos da prancheta bem
o sabem,
e, uma vez decifrado, permitirá nortear aos comuns
mortais e todos
aqueles que não são do ofício a não comprar
gato por lebre, quando
o tema for a CONSTRUÇÃO DE CASAS.

Mas, sabe o que é? O Rapáiche do Bureaux, ainda não veio.
.
.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Capriche. Não curto Anônimos, mas costumo perdoar os Covardes. (Às vezes, me sinto covarde, então...)